Porque consultar um Fisioterapeuta se eu tenho tontura?

fisioterapeuta

Porque eu devo consultar um Fisioterapeuta se eu tenho
tontura?

Se você está com tontura, a causa pode ser sua orelha interna, ou desordem
vestibular. Alguns Fisioterapeutas são especializados numa área da Fisioterapia
chamada de Reabilitação Vestibular, na qual os terapeutas trabalham para melhorar
os sintomas de tontura e desequilíbrio que você pode apresentar.
Grande parte do trabalho do Fisioterapeuta é fazer com que a pessoa volte a se
movimentar normalmente e maneje os sintomas da tontura ao mesmo tempo. As
principais maneiras de atingir estes objetivos são através de exercícios e realização
das atividades de vida diária. O Fisioterapeuta irá traçar algumas estratégias para
que sua recuperação seja tolerável. Se algumas das atividades domésticas lhe
causam tontura, é importante aprender a realizar estas atividades de uma maneira
diferente, para que os sintomas da tontura sejam os menores possíveis. Algumas
atividades que antes eram fáceis de serem realizadas, agora podem tornar-se difíceis
e causar fadiga (cansaço) e tontura. O terapeuta pode lhe ajudar em algumas destas
situações e fazer com que você siga em frente e volte a ter uma vida produtiva o
mais rápido possível.
A terapia para desordens vestibulares pode ser realizada de diversas formas. O
tipo de exercício depende do que a pessoa apresenta durante a avaliação. Alguns
deles auxiliam no equilíbrio, outros auxiliam o cérebro a resolver as diferenças nos
sinais enviados pelas orelhas internas, e alguns melhoram a habilidade de enxergar
claramente. Além do mais, exercícios de uma maneira geral melhoraram o
condicionamento físico e bem-estar.
Independente da causa da sua desordem vestibular, quanto mais cedo você
começar, melhor. Pesquisas vêm demonstrando que o cérebro e a orelha interna
conseguem uma compensação mais efetiva nos primeiros meses após a lesão
vestibular. Este período é o melhor para promover uma recuperação através da
reabilitação vestibular.

 

www.neuropt.org

Autora: Laura O. Morris, Fisioterapeuta, Especialista em Neurologia

Tradução: Camilla Cavassin, Fisioterapeuta